Sábado, 29 de Abril de 2006

Ternura

Desvio dos teus ombros o lençol,
que é feito de ternura amarrotada,
da frescura que vem depois do sol,
quando depois do sol não vem mais nada...

 

Olho a roupa no chão: que tempestade!
Há restos de ternura pelo meio,
como vultos perdidos na cidade
onde uma tempestade sobreveio...

 

Começas a vestir-te, lentamente,
e é ternura também que vou vestindo,
para enfrentar lá fora aquela gente
que da nossa ternura anda sorrindo...

 

Mas ninguém sonha a pressa com que nós
a despimos assim que estamos sós!

 

Ternura, David Mourão Ferreira (1927-1996)

 

 

 

 

 

 

 

Jardins do Palácio de Cristal - Porto

Fotografias de João Manuel Tavares Martins

 

 

busca por temas: ,
publicado por Guri Guri às 08:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Abril de 2006

Caixa de Pandora XI

 

Aqui ainda éramos bebés . Agora já somos crescidas!..

Foto  tirada no dia 28-08-2002. A Joana tinha 4 meses (menos um dia).

 

 

A Joana com o chapéu, em Melres , no dia daquela famosa foto cortada.

A prima que lhe cortou a cabeça anda a monte.

Teve que ser o pai a mostrar-nos a Joaninha, bonita como ela é

 

 

Olá!...No casamento do Luís e da Gui é que vai ser!...

Foto  tirada no casamento da Celsa e João

 

Fotos :  Christophe

Comentários:  Christophe e Guri Guri

 

busca por temas:
publicado por Guri Guri às 08:00
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Abril de 2006

Crónicas do Luxemburgo IV

 
O diabo visita Lagares
 
  
Há mais de setenta anos, Lagares era uma terra povoada de gente (pouca), de feras (algumas) e de espíritos (bons e maus).
Numa noite de verão, regressavam das fainas agrícolas dois jornaleiros do "Serrão".
Um, tocava viola; ambos, cantavam ao desafio.
Uns passos à frente, seguia, pachorrentamente, um perdigueiro, cansado das fadigas do dia, atento aos donos e pronto para saltar à primeira ave nocturna.
Bordejavam o ribeiro quando, subitamente, ouviram um ruído tremendo de águas que se debatiam e entrechocavam.
Não tiveram tempo para reagir.
De imediato, emergia do ribeiro um monstro com mais de dois metros de altura.
Uma silhueta escura e peluda contrastava com os raios de luar.
O vulto ("bruto", na expressão popular) erguia-se nas patas traseiras, roncava e rodopiava, exibindo os dentes ameaçadores.
À vista horripilante da criatura, o perdigueiro desarvorou, com ganidos de arrepiar.
Os dois homens ficaram simplesmente especados.
Mas os sintomas não os enganavam. Enquanto os cabelos se lhes eriçavam, as cordas da viola rebentavam uma a uma e as socas soltavam-se-lhes dos pés.
Foi o tempo de apanharem as socas e de fugirem, descalços e desaustinados.
Um dos homens teve ainda sangue frio para puxar o terço do bolso e rezar, esperançoso em que o demo se atemorizasse com os bentos sinais.

Chegaram a casa com a rapidez de um raio e narraram o acontecimento, suplicando aos presentes que se juntassem às suas preces para esconjurar o maligno.
Só no dia seguinte, o patrão, homem temente a Deus mas capaz de racionalizar as coisas do mundo, convocou os jornaleiros.

Ouviu ponderadamente os pormenores e ordenou-lhes que o levassem ao sítio da aparição.
As provas estavam lá:
Peugadas enormes de bicho nunca visto. Se eram ou não do diabo, era coisa a verificar, pois a tradição retratava o "tentador" com focinho mefistofélico mas patas escanzeladas.
Decidiu o patrão consultar o sábio da aldeia, o Professor da Lapa.
Este professor, homem de grande prudência e sabedoria, que tantas vezes tinha desfeito maus presságios, veio ao local, desenhou as impressões “patais” e, já em casa, confrontou o esquisso com um atlas que possuía.
Não foi necessário muito tempo para concluir que o intruso era um urso.
À primeira, as pessoas do lugar não acreditaram. Viam na explicação "científica" uma forma de tranquilizar o povo e de exorcizar a ameaça que pairava sobre uma aldeia possuída pelo "porco sujo".
Só uma semana mais tarde, aquelas almas se aquietaram.
O "Serrão" era, naquele tempo, a única casa que assinava e lia "O Comércio do Porto".
Ora, no jornal daquele dia, ofereciam-se alvíssaras a quem informasse sobre o paradeiro do grande urso preto que tinha fugido do circo acampado no Porto, em pleno Campo 24 de Agosto, animal já avistado em diferentes lugares.
       
Tio Zé
 
busca por temas:
publicado por Guri Guri às 00:15
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Abril de 2006

3 perguntas, 3 respostas

Olá caganitos!

Ora resolvam este quebra cabeças

  1. A quem se refere a fotografia?
  2. Onde mora habitualmente?
  3. Em que post ou data foi publicada no blog?
 
 
Regulamento:
  • Caganitos dos 0 10 anos. (A Mafalda e a Maria / Matilde / ... obviamente também podem concorrer)
  • Respostas até 7 de Maio de 2006
  • Data da entrega dos prémios: Casamento do Luís e da Gui

Instruções:

  • Imprimir
  • Recortar com uma tesoura
  • Colar numa folha branca
 O Guri Guri fica à espera das vossas respostas.
 
Todos os caganitos que acertarem vão receber um prémio.
 
Bjs
Guri Guri
 
 
busca por temas:
publicado por Guri Guri às 19:57
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 25 de Abril de 2006

Conversa desatinada

 

Tudo começou por ser um breve comentário à crónica “Desafio de vida”, mas acabou por desaguar nesta carta aberta, amálgama de ideias e sentimentos.

 

Obrigado, Luís, pelo seu testemunho. Sobretudo pela transparência e convicção das suas palavras.Se o seu testemunho fosse de sentido contrário, de igual modo eu lhe diria obrigado. Em que ficamos, então?!

 

Casais divorciados ou famílias unidas?!

 

Crentes, agnósticos ou ateus?!

 

É irrelevante.

 

Deus - que nunca ninguém viu (1) – não se vai importar com o número de casais divorciados ou de outras tantas famílias unidas, mas vai com certeza deixar cair uma lágrima pela incapacidade de uns e outros se amarem.

                         

Crentes, agnósticos ou ateus - prisioneiros da nossa condição humana - Deus não vai querer saber dos nossos rituais ou lutas para nada, mas sim da convicção com que assumimos o nosso próprio caminho.

 

E daí o respeito e a admiração pelo seu testemunho.

 

Gostava ainda de lhe dizer, à laia de desabafo, que cada vez mais tenho a impressão de ir descobrindo Deus onde exactamente Ele não está. Ora aí está uma boa definição daquilo que eu sou. Desatinado. Mas, em todas as famílias há os certos, os certinhos e os desatinados...

 

Mudando de partitura. Apreciei a simplicidade com que descreve a descoberta de que um instrumento, aparentemente arredio dos rituais litúrgicos – o que não é verdade – nos pode afinal conduzir a momentos de grande interioridade.

Mais uma vez as coisas estão onde parecem não estar. Os compositores, sobretudo os do período barroco sabiam-no bem, para já não falar do seu uso nas cerimónias bíblicas no Templo de Jerusalém, ao lado do shofar .

Para que não me acusem de falsa erudição sobre assuntos bíblicos que não domino, da existência do shofar sabia eu há muito tempo. Já, quanto à utilização do trompete nessa época, talvez eu não esteja “a mentir bem”.

 

Sem a aventura em que o João e a Celsa se meteram, eu não estaria para aqui a perorar. Para eles o meu abraço com o desejo que o seu amor “não seja imortal, posto que é chama, mas que seja infinito enquanto dure”, como dizia Vinicio de Morais. E que dure sempre, acrescento eu.
     

Tio Mário

                       

                                                           

 

(1) Porque não quero afrontar gratuitamente a fé de ninguém, junto sustentação para este aparte:

 

·         Se alguém diz: eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, não pode amar a Deus, a quem não viu. (I João 4:20)

 

·         Com efeito, ninguém jamais viu a Deus tal como Ele é em Si mesmo (Carta Encíclica Deus Caritas Est do Sumo Pontífice Bento XVI, parte 17)

busca por temas:
publicado por Guri Guri às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Segunda-feira, 24 de Abril de 2006

Desafio de vida

Ao longo dos últimos 14 meses tenho sido brindado por uma nova e maravilhosa experiência humana: o noivado.
Apesar de se prever que em 2012 o número de casais divorciados ultrapasse o número de famílias unidas, é maravilhoso ver e testemunhar que continuam a existir jovens que aceitam a vocação de Deus de constituírem uma nova família .
No passado sábado, assisti à cerimónia de casamento do João e da Celsa com um agrado imenso, quer por fazerem parte de uma família que tão bem sabe acolher os seus novos (e futuros) membros, quer pela preparação cuidada de todos os seus festejos.
E quanto à celebração, gostaria de partilhar convosco a forma como vivi a inovadora e magnifica interpretação da Ave Maria. Ao ver surgir no meio de um casamento, feliz mas tranquilo, um trompete, devo confessar que me atemorizei! Um instrumento de sopro cuja sonoridade é elevadíssima no meio de uma cerimónia religiosa familiar seria despropositado, pensava eu. Mas a partir dos primeiros instantes da Ave Maria, rendi-me perante tão brilhante momento. Aqueles novos sons que ecoavam na igreja eram para mim totalmente novos e transmitiam-me a bênção divina que aí se vivia.
Por este motivo e por nos fazerem acreditar no desafio do casamento, os meus sinceros parabéns e votos de muitas felicidades ao novo casal: João e Celsa.

 

Luis Baldaque Silva

busca por temas:
publicado por Guri Guri às 23:32
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Domingo, 23 de Abril de 2006

Primavera

É Primavera agora, meu Amor!

O campo despe a veste de estamenha;

Não há árvore nenhuma que não tenha

O coração aberto, todo em flor!

 

Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor

Da vida... não há bem que nos não venha

Dum mal que o nosso orgulho em vão desdenha!

Não há bem que não possa ser melhor!

 

Também despi meu triste burel pardo,

E agora cheiro a rosmaninho e a nardo

E ando agora tonta, à tua espera...

 

Pus rosas cor-de-rosa em meus cabelos...

Parecem um rosal! Vem desprendê-los!

Meu Amor, meu Amor, é Primavera!...

 

 

Primavera
Florbela Espanca (1894-1930)

 

 

 

 

Parque da Cidade do Porto

Fotografias de João Manuel Tavares Martins

 

 

busca por temas: ,
publicado por Guri Guri às 23:35
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Abril de 2006

Caixa de Pandora X

 

 

 
   
 
   
 

 

               

Espelho meu, espelho meu...

Alguém tem sobrinhos mais bonitos do que eu?

 

 

busca por temas:
publicado por Guri Guri às 13:20
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Quarta-feira, 19 de Abril de 2006

Descida aos infernos

Com certeza que já todos leram a última das sempre esperadas crónicas do Luxemburgo que relata a descida às profundezas dos infernos.

   

Escapei, por um triz.

Por vontade do cronista era para mim que estava traçado tal destino.Protestei.

O conselho de família reuniu-se e apurou que afinal tinha sido o Tio Fernando, e não eu, o centro de tão infausto acontecimento.

O cronista “não estava a mentir bem”, como diria a Vóvó.

Fiquei aliviado.

 

Reconheço que pela lógica das coisas o cronista até tinha razão. Para quem ao longo da vida nunca deu provas de merecer o céu, o inferno - descrito por mão de mestre - seria o seu destino natural.

Mas Deus sempre troca as voltas - vá la saber-se porquê... - e, de repente, é o justo que é lançado para as chamas mal cheirosas do inferno, enquanto o filho pródigo é transformado em anjo inocente, a assistir à cena da condenação do seu próprio irmão.


Devo confessar que eu próprio tentei anos mais tarde descer também aos infernos, na casa da sempre saudosa e querida Sra. Aninhas Prata. Mas, ou porque o buraco em que me tentei enfiar não era tão grande quanto parecia à primeira vista, ou porque só me deram acesso ao dos miúdos, tudo se ficou por um salto incipiente, mas ainda assim o bastante para me dar a esperança de também um dia eu ser capaz de assumir a condição de mafarrico, o que verdadeiramente só veio a acontecer nas vésperas da Festa do Senhor dos Passos. Mas isso já é outra história...

 

 

Tio Mário

 

busca por temas:
publicado por Guri Guri às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|
Terça-feira, 18 de Abril de 2006

Crónicas do Luxemburgo III

Nos bons velhos tempos, quando não havia televisão e a cidade ficava nos confins do mundo, as noites de Inverno eram aproveitadas para encenar histórias que as gerações transmitiam por tradição oral.

Os assuntos normalmente versados, numa comunidade de crentes pouco instruída, eram a criação do mundo, o bem e o mal, o pecado e a expiação.

Destes temas, o que mais aliciava as plateias, pelo mistério e pelo limiar tecnológico, era o Inferno.

A visão do Inferno dramatizava-se por meio de um fosso criado por baixo do palco, de onde eram catapultados os diabos através de uma alavanca constituída por uma trave apoiada num tronco. O fogo, esse, era conseguido com resina moída, soprada através de um sistema altamente "sofisticado". O latoeiro fabricava um tubo que, na ponta, curvava para cima. No topo, acoplava‑se uma espécie de raro de regador que, coberto de resina, era colocado a centímetros de uma vela acesa. Na altura própria, alguém soprava no tubo, a resina libertava-se, atravessava o lume e transformava-se em chamas.

À medida em que o "Rei dos Diabos" chamava, os diabos emergiam no palco, envoltos em fogo. Não me recordo já do nome de todos. Como em muitas seriações bíblicas, sei que eram sete.

O "Rei dos Diabos" berrava: Lúcifer, Satanás, Sataniel e por aí fora… Cachapuz era o último e mais pequeno.

Quando os diabos saltavam, havia um diálogo que aliviava a tensão e fazia rir a assistência.

"Satanás!", bradava o "Rei dos diabos". "Aqui vou eu de cabeça para a frente e rabo para trás!", retorquia o dito Satanás.

Cachapuz !", chamava o "Rei dos diabos". "Fiquei para trás para apagar a luz!", respondia o último dos diabos.

          A miudagem passava do pânico ao fascínio e, chegada a casa, queria imitar.

Dos cinco irmãos, reservámos para os três varões esta perigosa aventura escatológica.

O engenhocas era o Nando . Encarregou-se naturalmente de conceber os efeitos cénicos. Eu aceitei o papel de "Rei dos Diabos", pela importância e pouco trabalho. O Nando atribuiu-se também o papel de diabo saltante. O Marito , nos seus inocentes quatro ou cinco anos, constituía o público.

Faltava o local. Não foi difícil.

Numa espécie de sobreloja, existia a retrete. Reproduzia o que era comum nas famílias com algumas possibilidades: uma bancada de madeira, com um buraco e uma tampa, dando directamente sobre o quinteiro que ficava um ou dois metros abaixo. Os excrementos eram periodicamente misturados com mato para produzirem estrume.

Arranjámos e moemos a resina, improvisámos o tubo e o raro, acendemos a vela e preparámo-nos.

O Nando estava predestinado. Ainda pequeno, passava perfeitamente no buraco da retrete. Com o corpo e as pernas suspensos, tinha que apoiar os braços nos lados da bancada para se aguentar.

E o espectáculo começou.

Gritava eu:

Lucifer !".

E o Lucifer ", que o Nando personificava, soerguia-se, apoiado nos braços, e repetia Lucifer !", enquanto eu soprava resina para a vela e as chamas se levantavam terrificantes.

"Satanás!". A cena repetia-se…

Só não previmos que mesmo os diabos (e, sobretudo, os diabos) estão sujeitos às leis da natureza.

O Nando resistiu à primeira experiência, mas, na segunda, estava ainda o "Rei dos Diabos" a chamar pelo terceiro ou quarto diabo, quando os braços se negaram ao esforço.

Foi o desastre.

Com as pernas a balouçar e a roçar as profundas do "inferno", nem descia nem subia. E quanto mais tentava, mais descaia e tornava a situação irreversível.

Tementes das consequências e frustrados por não conseguirmos afinar a peça, chamámos o nosso pai para "desatascar" (é o termo) o actor.

Rezam as lendas que o Nando saiu da situação em mísero estado.

Foi desinfectado com uma mistura de cinza, lexívia e água quente, geralmente utilizada para as barrelas.

Depois, lavado com sabão cor de rosa.

Apesar disso, durante algum tempo, à sua aproximação, os iniciados no acontecimento cochichavam entre si, cúmplices de uma revelação que contrariava a sabedoria popular.

Afinal, o inferno não cheirava a enxofre mas a m...

 

 Tio Zé

 

"Espaço cénico" típico da época

Foto da responsabilidade do Guri Guri

 

busca por temas:
publicado por Guri Guri às 00:35
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

.pesquisar

 

.posts recentes

. porque ele é bom

. Por favor não use este bl...

. Protopoema

. O Baptizado da Maria

. Descubra se for capaz

. Mergulhando nas raízes

. Postal de Boas Festas

. A Travessia da Serra

. Chi vó, non pó

. Nasceu a Maria !!!

.busca por temas

. caixa de pandora

. canções

. cantinho dos caganitos

. cidade do porto

. conversas de primos

. crónicas de família

. crónicas do luxemburgo

. descubra se for capaz

. diversos

. esboços

. música

. poemas

. posts diversos

. todas as tags

.links

.Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
27
28
29

30
31


.arquivos

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Dezembro 2006

. Outubro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

.links

.Search

Loading

.O Sapo Cantor

Dedicado a todos os caganitos
Liga o som, clica aqui e segue as instruções

.Horas


.Música (Radio via Internet)


Música Clássica
I - www.infiniteclassical.com
II - sky.fm 24 aac+
III - inspiration-fm 24 aac+
IV - radio laser classical
V - mpegradio.com

Música de relax
I - ambient musiv4free.org
II - radio mystical

Música do mundo
sky.fm 24 aac+

Música Ambiente
homihomi.com

Rock anos 60/70/80
www.netclassix.com

Instruções
1. Verfique se tem a sua aparelhagem de som ligada.
2. Clique na música do seu agrado e aguarde uns segundos 3. Caso a música não arranque, clique em Instalar Winamp e siga as instruções. Nota: Esta instalação necessita de ser feita uma única vez

.Música (Leitor Audio)


Se gosta da música, compre os discos

.Páginas visitadas


blogs SAPO

.subscrever feeds